23 abril 2010

Brisa constante

Vivo sem nada.
Sem amores,
sem paixões,
sem bens materiais, sem bens existenciais.
Quem me quer, terá um vazio
feito de brisa constante que
será moldado de acordo com as lágrimas
que caem hoje
ou talvez amanhã.
Traga simplesmente seu sorriso, 
sua pureza!



Nenhum comentário:

Postar um comentário