06 junho 2010

"Relapsos"


   Hoje quando acordei vi seu lado da cama vazio. Seu travesseiro ainda estava amassado. Senti seu cheiro, como se realmente estivesse ali. Virei e tentei dormir novamente, mas relapsos começaram a difundir minha mente. Lembrei de seu beijo delicado, de seu sorriso e de seu olhar e por alguns minutos pude perceber sua respiração próxima a mim e falando em meu ouvido. Logo virei e você ainda não estava ali.
   Ao colocar os pés no chão, percebi que você tinha deixado meu chinelo amarelo ao meu alcance, pois sempre dizia que era para não fazer esforço ao levantar. Foi ai que percebi que você ainda poderia estar por perto. Ligeiramente corri até a janela e vi que deixaste duas iniciais e um desenho no abafado que a neblina ali causou. Era um simples coração, e nele havia duas letras que me engrandeceram. Olhei na mesinha ao lado e lá estava aquele singelo cordão de prata que tatuei pra você e que ali mesmo tinha deixado. Me senti pequena e triste. Ao abrir a porta dei de cara com um imenso vazio, realmente você não estava mais ali. Os relapsos voltaram, e vi você entrar e implicar de forma tão carinhosa comigo, por simples fatos que eu adorava sempre. Vi seu olhar penetrante em minha direção que me passava segurança e que me fazia sentir coisas que ninguém nunca ousou fazer.
   Ao cair da noite meus pensamentos voavam sobre minha áurea. Resolvi então fazer as pazes com eles e deixá-los conviver comigo pois tudo isso não passaria de um sonho... no qual eu nunca iria acordar. Ou será que era a realidade que não queria enxergar?
Vivo meus segredos ocultos de não ter mais sua presença, mas a lembrança dos bons momentos é o que realmente está marcada.





Nenhum comentário:

Postar um comentário