19 junho 2012

Por toda parte que olhares


Estou a escrever
Escreverei te um livro inteiro
Perfume de minhas mãos bordados encontra-se-á
Sentimentos vividos sobre pedras cristalinas
Como diamantes caídos de cofres secretos.
Meus dedos prendem cada sílaba em seus pulsos
Nada poderá desfazer tais vestígios
Pois o tal amor estará por toda parte que olhares
Estará na sua respiração ao final de cada capítulo.
Despido-me no momento em que folheias cada página
Posso até julgá-lo e dizer que o conheço por inteiro
Mesmo que, por vezes, não sinta sua presença
Porém cada palavra te trás de volta próximo aos meus lábios.
Escreverei sobremodo sobre os pesares
Das coisas que se prometem e se perdem ao vento
Encontro-as e prendo-as aqui.
E no menor sonho que hesitas em acreditar
O amor está
Estará por toda parte que olhares.
Continuo a escrever-te próximo ao cais
Fecho os olhos e penso em voar 
No reflexo do teu olhar indiscreto
E este será meu projeto
Nesta vida e na próxima
Tentar colocar-te em cada vocábulo 
E em todas as paredes que encontrar poderei também lembrar
E só a luz dos meus dedos em teus pulsos
Iluminará nosso amanhecer
E assim, onde estiver, o livro autêntico da vida poderás reconhecer(...)



Nenhum comentário:

Postar um comentário