12 julho 2010

loucuras"


É imprevisível 

que eu possa ver
no rosto de alguém-
então virei os olhos,
na casa de ninguém-
então fechei os olhos.
Entrei 
e ali estava escrito
NÃO ENTRE
mas estava escuro 
e não li
mas sabia que havia 
algo ali
e era sinistra a sensação 
de loucos me 
olhando,
de loucos a porta do meu ser.
Olhei o relógio 
e o tempo não passava.
Nada confirmava o real e
sem pensar,
sem pensar nem ouvir
tudo 
acabou
tudo desmoronou 
antes de cair.
Estava dentro de minha loucura
insana,
desencontrada 
descontrolada.
Mesmo na 
vida
dolorida de muitos e 
bem vivida de 
alguns
Tudo é relativo
confie na 
loucura 
de quem viveu mais desvaneios que 
você. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário