11 agosto 2010

Por que perdemos as coisas?


Estava outro dia conversando com uma amiga e comentei que havia perdido alguma coisa. Subitamente ela me perguntou: "Onde você perdeu?"
Para não ser taxada de mal educada, não soltei nenhuma frase desagradável, mas pensei sobre o assunto. Por que quando falamos que perdemos alguma coisa tem sempre uma alma boa, no intuito de nos consolar, que pergunta se sabemos o local onde, supostamente, perdemos o tal objeto.


Gente, se eu soubesse onde poderia ter perdido alguma coisa, automaticamente eu não teria perdido, certo? Com certeza eu retornaria ao local e provavelmente, resgataria a coisa na qual estaria no status de perdida.
Agora eu te pergunto: se todo mundo soubesse onde havia perdido alguma coisa não existiria o achados e perdidos, não é?
Não haveriam tantas taxas de emissão de segunda via, cobrança indevida em cartões de crédito ou contas telefônicas. Ou também uma quantidade significativa de sombrinhas e guarda-chuvas esquecidos, não é?
Incrível! Há objetos que tem como função serem perdidos e o danado do pente na hora que se está atrasado pra ir a aula ou a igreja é um deles.Não é possível! Eles devem ir para outra dimensão, porque eu não conheço ninguém que tenha achado algum perdido por ai. Ou vai dizer que você já achou algum ali, paradinho, no canto da sua porta, ou do guarda roupa em sua frente?

2 comentários:

  1. A verdade é que essa pergunta é um estimulante, que age no nosso consciente como uma chave para nossa memória!!!!!

    ResponderExcluir
  2. nossaaaaa...pode ser isso sim! ;)

    ResponderExcluir